Crioulização e Estilo: Sobre "A Conjura", de José Eduardo Agualusa

Resumo

N’A Conjura,o primeiro romance de Agualusa (1981), encontramos, entre outros elementos, aquilo que definirá a singularidade do imaginário literário do autor: a crioulização e a questão da linguagem. Se em Agualusa a crioulização é um meio para enfrentar o racismo, na medida em que dá azo à miscigenação e ao hibridismo cultural, inversamente, a linguagem, desprovida de marcas dialetais, em oposição com o que acontece com outros autores (Luandino Vieira, por exemplo), parece coadunar-se com um princípio de lusofonia universal. Todavia, é uma linguagem, porque bastante tributária do estilo queirosiano, veiculadora de marcas imperiais.  Talvez, afinal, esse seja o ponto mais genuinamente histórico da narrativa.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Doutorado em Ciências da Literatura, Universidade do Ninho.

Publicado
2020-06-18
Como Citar
SOUSA, Sérgio Guimarães de. Crioulização e Estilo: Sobre "A Conjura", de José Eduardo Agualusa. VEREDAS - Revista Interdisciplinar de Humanidades, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 18-35, jun. 2020. ISSN 2595-3508. Disponível em: <http://revista.unisa.br/index.php/1/article/view/87>. Acesso em: 03 ago. 2020.