Negligência/Negação à Escolarização em Quilombos da Região de Guanambi/Bahia

Resumo

A escolarização deve ser garantida e aproximar-se das características identitário-culturais dos seus respectivos grupos populacionais. Destarte, este texto discute a presença da escola em comunidades quilombolas de região baiana. Trata-se de análise quanti-qualitativa desenvolvida a partir de informações de inquérito regional desenvolvido no ano de 2016. Os resultados indicam que dos 14 quilombos contemporâneos de nove cidades, seis tinham escolas funcionando em seus territórios, com turmas multisseriadas das séries iniciais do ensino fundamental. Apenas uma seguia a proposta educacional identitário-formativa quilombola. Quatro comunidades apresentavam escolas desativadas. Os demais quilombos não tinham escolas. Cerca de 20% dos adultos quilombolas eram analfabetos e aproximadamente 40% concluíram o Ensino Fundamental I. É percebida a permanente negligência e/ou negação ao acesso à escolarização ao povo quilombola baiano. Também preocupa que, mesmo quando presente, há baixa adesão escolar à curricularização das questões étnico-raciais e culturais para valorização da identidade quilombola, portanto, capaz de contribuir na formação antirracista.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Possui mestrado em História pela UNEB e licenciaturas em História (UNEB) e Filosofia (Claretiano); É pesquisadora do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Cultura e Saúde - GEPEECS/CNPq e do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direitos Humanos - NUIPEDIHU/FASAVIC; Professora de Antropologia, Relações Étnico Raciais e Filosofia Geral da Faculdade Santo Agostinho - FASAVIC; professora de História da África E Laboratório do Ensino de História da UNEB/Campus VI Caetité e professora de História, Filosofia e Sociologia do Colégio Sêneca. Tem experiência na área de Antropologia, Filosofia e História com pesquisas nos seguintes temas: comunidade quilombola, manifestações culturais,direitos humanos, memória, gênero, história do esporte e luta política.

##submission.authorWithAffiliation##

sou licenciado em Educação Física (UNEB/BA), especialista em Fisiologia do Exercício (UVA/RJ), especialista em Treinamento Desportivo (UGF/RJ), especialista em Saúde Pública (FG/BA), Mestre em Saúde Coletiva (UEFS/BA) e doutor em Educação Física (UFSC/SC). Atuo como professor-pesquisador na Universidade do Estado da Bahia (UNEB/BA) desenvolvendo atividades em cursos de graduação, especialização e no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS/UNEB/Alto Sertão baiano). Estudo e pesquiso questões relativas à Saúde Coletiva, Educação Popular e Esporte e sociedade, tendo publicado artigos em periódicos, trabalhos em congressos e capítulos de livros. Sou Antropometrista Nível 2 certificado pela ISAK, Oficial Técnico Nível 1 certificado pela ITU e pela CBTri, Treinador de Voleibol de quadra nível 2 certificado pela CBV. Participo do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Cultura e Saúde (GEPEECS/UNEB/CNPq). Tenho experiência docente em cursos de mestrado, especialização, graduação, ensino técnico, ensino médio e ensino fundamental. Orientei/oriento dissertação de mestrado, monografia de especialização, TCC de graduação, monitorias de ensino e de extensão, além de Iniciação Científica.

Alexandre Garcia Araújo

Advogado (OAB-BA 41.194). Professor Substituto do Curso de Direito da Universidade do Estado da Bahia - UNEB: Campus XX, Brumado-BA. Professor do Curso de Direito da Faculdade Santo Agostinho - Vit. da Conquista. Mestre (2017) e Doutorando em Memória: Linguagem e Sociedade pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Pós-Graduado (2016) em Direito Penal e Direito Processual Penal pela Faculdade de Direito Prof. Damásio de Jesus. Bacharel (2013) em Direito pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Pós graduação em andamento em Novas Metodologias do Ensino Superior pela Fasa/Afya. Atualmente é Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, Subseção de Vitória da Conquista-BA e Coordenador do Projeto de Educação em Direitos Humanos da UNEB. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Direito Ambiental, Urbano, Agrário e Movimentos Sociais e Integrante do Núcleo de Assessoria Jurídica Alternativa - NAJA - Vitória da Conquista/Bahia. Tem experiência prática na área de Direitos Humanos, Direito Penal, Processo Penal e Assessoria Jurídica a Sindicatos.

Publicado
2020-06-18
Como Citar
TEIXEIRA MUSSI, Leila Maria Prates; MUSSI, Ricardo Fraklin de Freitas; GARCIA ARAÚJO, Alexandre. Negligência/Negação à Escolarização em Quilombos da Região de Guanambi/Bahia. VEREDAS - Revista Interdisciplinar de Humanidades, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 80-103, jun. 2020. ISSN 2595-3508. Disponível em: <http://revista.unisa.br/index.php/1/article/view/91>. Acesso em: 03 ago. 2020.